Net Neutrality no John Oliver

Um problema recorrente e que precisamos, como profissionais de Internet, ficar muito atentos no Brasil.
Restrição de acesso a conteúdo é algo inaceitável, isso quebra a Internet e elimina a grande vantagem que é estar conectado com a Internet. Forçando pessoas a viverem dentro de uma bolha que inevitavelmente será controlada pela prestadora de acesso.


Favorecer acesso também não é uma solução, isso sozinho iria tornar completamente inviável de novas iniciativas surgirem, ainda mais quando forem iniciativas que competem com serviços e produtos da prestadora de serviços, portanto novamente teremos uma Internet viciada e estéril.

É compreensível que a quantidade de iniciativas para participar da Internet triplicou, afinal todos agora utilizam redes sociais, a grande esmagadora maioria das empresas tem seu próprio website, e milhões de usuários publicam e compartilham conteúdo diariamente. O desafio para as prestadoras de serviços é enorme e levando em consideração que a grande maioria dos serviços estão agora sendo oferecidos pela Internet, o volume de transferência de dados é crescente e contínuo.

O método mais eficiente (do meu ponto de vista) é  o de aquisição de consumo, que é o que permite vender apenas o que será de fato consumido, sem haver necessidade de desperdícios no geral. Não adianta nada ter um plano de 100GB se você apenas consome 20GB por mês, e ao mesmo tempo ter esta taxa de transferência reservada para um consumo que não vai acontecer é desperdiçar dinheiro e tornar o serviço mais caro, afinal outra pessoa poderia ter utilizado aquela banda para se instruir, aprender e melhorar sua própria vida.

O problema é que no Brasil a Internet já é excessivamente cara, e se prestadoras começarem a cobrar taxas de Internet cada vez mais caras, os pacotes de aquisição de consumo nunca terão chance com o público que consome Internet banda larga mesmo este mesmo público estando acostumado a comprar pacotes de Internet para seu Mobile.

Restringir o volume de acesso é ruim, mas restringir o que tem prioridade para ser acessado é pior.

Defender a liberdade de acesso a Internet é fundamental, por isso compartilhei o vídeo acima, pois mais uma vez problemas são divulgados.

 

Comentários

Ricardo Cury

Desenvolvedor de websites desde 1998. Diretor de negócios da Delta Design, autor de conteúdo no RGSTur, Desenvolvedor do Revista Internet, Webmaster no O Café, desenvolvedor do Turismo de Compras, videomaker, produtor e criativo em diversos projetos web. I LOVE INTERNET